Blog Tudo e Todas

Caminhando em seus sapatos: museu da empatia chega ao Brasil para promover a aproximação entre as pessoas

RespeitAme por: Taiane Kussler em: 23/11/2017 | 15:00

Se a maioria das pessoas fizessem aos outros o que gostariam de receber, muitas atitudes seriam repensadas antes de serem praticadas e o convívio em sociedade seria mais humano. Para valorizar este pensamento de empatia, uma nova proposta foi trazida ao Brasil, com o objetivo de sensibilizar as pessoas ao ouvirem as histórias de vida do seu próximo. Trata-se do museu 'Caminhando em seus sapatos'. 

Foto: Divulgação / Tudo & TodasSão 25 histórias que representam cada par de sapato
São 25 histórias que representam cada par de sapato

***

Em formato de uma caixa de sapato gigante, as pessoas são convidadas a entrar e escolher um par de sapatos de alguém para andar por 10 minutos no entorno do museu. Junto ao par de calçados, o visitante também irá receber um fone de ouvido para escutar a história do dono do calçado. Uma experiência única que irá sensibilizar as pessoas, que ao ouvir o depoimento passam a pensar de uma outra forma e se posicionar no lugar da outra pessoa.  Para dar 'asas' ao projeto, foi realizada uma curadoria de 25 histórias contada por 25 personagens diferentes. 

INSPIRAÇÃO

Inspirada pelo Empathy Museum sediado em Londres, a diretora executiva do intermuseus Andrea Buoro teve a iniciativa de trazer ao Brasil esta proposta, com o objetivo de aproximar mais as pessoas e abordar a importância da empatia para a sociedade. 

A ideia era captar questões sociais, de desigualdade, lutas e militâncias contra a gordofobia, machismo, além de abordar conceitos como superação, amor e resistência', conta a idealizadora do projeto em entrevista ao Hypeness. 

Os visitantes poderão escolher qualquer par de sapatos que mais  despertarem o interesse e não terão nenhuma informação extra sobre o dono do produto, apenas saberão o primeiro nome. Além de despertar a curiosidade, incentiva o saber ouvir ao outro e dá a possibilidade de conhecer novas histórias, gerando o autoconhecimento e percepção das coisas que ocorrem ao redor ~ uma forma de autorreflexão para que as pessoas possam perceber que alguns problemas podem ser insignificantes quando comparados ao dos outros ~.  

A instalação ficará montada entre os dias 18 de novembro e 17 de dezembro na Praça das Bandeiras (área externa do pavilhão da Fundação Bienal de São Paulo), acesso pelo Portão 3 do Parque Ibirapuera.

 

Siga o Tudo & Todas nas redes sociais