Blog Tudo e Todas

#gordofobianãoépiada: 5 contas para seguir no Instagram de mulheres com personalidade e autoestima

RespeitAme por: Taiane Kussler em: 28/12/2017 | 16:00

O ano de 2018 promete mais compaixão e amor ao próximo, estas ações estão acontecendo por meio de manifestações sociais para incentivar pessoas a 'aceitarem' ou pelo menos, 'respeitarem' as diferenças de cor, gênero, sexualidade e outras peculiaridades pessoais. O ano nem começou e dá para perceber que algumas pessoas ainda não estão mobilizadas a abraçar esta causa ao conviver com as diferenças e características de cada ser humano. Na semana passada, um comentário gordofóbico de um humorista feriu a imagem da jornalista e youtuber Alexandra Gurgel.  Aka Alexandrismos, como é conhecida nas redes sociais, havia concedido uma entrevista incrível para a BBC Brasil, falando sobre gordofobia. Assim que participou da entrevista, a youtuber sofreu mais um ataque gordofóbico, só que desta vez, esta atitude veio do próprio apresentador, que realizou horas antes a entrevista com a jornalista. Os comentários viralizaram no Twitter com a #gordofobianaoepiada. 

Confira o posicionamento da jornalista no Instagram, após ser alvo de críticas homofóbicas.

 

Muita gente se surpreendeu e elogiou a minha força, a minha coragem de falar publicamente e denunciar uma ofensa que um cara bem famoso me direcionou. É engraçado, porque eu só fiquei mal de verdade na noite de Natal, quando cheguei em casa e vi o que tava rolando no Twitter. Depois de tanta gente me defendendo e esperando de mim uma resposta, eu vivi o dia 25/12 numa nice, com minha querida amiga @beeeells , que me recebeu na casa dela para esquecer um pouco as coisas. Isso me deu paz para pensar no que eu ía falar, já que a expectativa em cima do meu posicionamento era enorme. Eu fiz o vídeo, gravei, postei e não imaginava que a tag que lançamos a partir dele fosse bombar tanto. Além de ser usada em larga escala aqui no Instagram, no twitter ela bateu o 1ºlugar no trending topics Brasil e 2ºMUNDIAL por HORAS. Isso não tem preço que pague. Ver gordofobia ser discutida por tanta gente me encheu os olhos de lágrimas, mas o meu coração de alegria, pois nosso assunto está sendo disseminado. Transformamos o maior ataque gordofóbico que eu já sofri (o cara tem 16mi de seguidores) em um bem danado pra uma galera. De virada é mais gostoso, né? Não foi do dia pra noite que eu construí minha autoestima, minha força, meu amor pelo corpo, nem mesmo um discurso que visa combater o preconceito. Não foi do dia pra noite que eu fiz amigos com visibilidade que me divulgaram e ajudaram sem que eu pedisse nada. Não foi do dia pra noite que eu ganhei credibilidade no assunto. Não foi do dia pra noite que eu construí um exército de xeguidores, meu lindo #PoderDoX. Tudo isso leva tempo, esforço, trabalho e dedicação. E o que rolou não foi uma visibilidade para a minha pessoa. Apesar deu estar estampada nos tuítes, ser defendida etc, isso aconteceu com todo mundo que tá na luta. E é por todas essas pessoas que eu fico feliz de estarmos começando, de fato, uma revolução. Porque gostar de si mesma é, sim, um ato revolucionário nessa sociedade que nos diz, o tempo todo, que devemos mudar. Obrigada de todo coração a todo mundo que participou disso. Ainda não consegui responder a todos, mas é APENAS o começo de muita coisa que está por vir. E vale lembrar que #gordofobianãoépiada

Uma publicação compartilhada por Alexandra Gurgel (@alexandrismos) em

Autoreflexão: pense antes de agir

Antes de praticar qualquer tipo de atitude ou de dizer com todas as letras que não é preconceituoso é preciso fazer uma autoreflexão de comportamento. Nem sempre as atitudes preconceituosas se manifestam através de xingamentos, agressões físicas e psicológicas.  Ações de desrespeito e intolerância a determinados padrões de corpo podem se tornar evidentes através de um olhar de julgamento ou de um comentário que venha a ofender. No caso da gordofobia isso acontece com frequência, pessoas que possuem sobrepeso são alvo de críticas e rejeições e tendem a ser ridicularizadas ~ através do preconceito disfarçado ~ na vida social.

Respeito em primeiro lugar

Independente do posicionamento e da opinião frente a esta situação, que afeta muitas mulheres que sofrem pressão pscicológica e são ridicularizadas pela sociedade, é preciso ter respeito e consideração ao próximo, antes de vir a ofender ou oprimí-lo. Nem sempre o sobrepeso é uma escolha pessoal, em alguns casos,a obesidade pode estar relacionada tanto ao excesso do consumo de calorias quanto a diferentes fatores assim como, quadro metabólico e inflamatório de dificílimo controle clínico, sendo classificada, por esse motivo, como uma doença.

Autoestima vence barreiras sociais

Neste caso, ao invés de criticar ou ridicularizar as pessoas que estão inseridas neste contexto, é preciso ajudá-las a vencer o preconceito, para que enfim, possam se reencontrar e descobrir que a beleza vai além das medidas do corpo. Por isso, a autoestima é essencial para vencer estas barreiras sociais, e o primeiro passo é sentir-se bem consigo mesma. Só assim, as pessoas que passam por este tipo de situação poderão encontrar a plena felicidade e se redescobrir como pessoas significativas dentro da sociedade em que estão inseridas.

Mulheres inspiradoras

Para começar o ano com pé direito, é necessário 'quebrar os tabus' de uma sociedade preconceituosa. Para isso, é preciso estar mais autoconfiante com seu próprio corpo. Confira algumas pessoas que fizeram a diferença ao se impor diante da gordofobia e que hoje, são fontes inspiradoras nas redes sociais. Mulheres de personalidade e autoestima que encontraram a felicidade plena ao estarem bem com o seu corpo e estão revolucionando conceitos ao conquistarem seguidores no Instagram.

 1- Alexandrismos

 2- Beeeells

3- Femmefatalebyjeh

4 - Luplusize

 

Uma publicação compartilhada por Luana (@luplusize) em

5- Renataborgesplus

Siga o Tudo & Todas nas redes sociais